14 de jul de 2018

COMARCA DE JACAREACANGA CONTA COM NOVO JUIZ


Através da Portaria nº 2723/2018-GP, DE 21 DE JUNHO DE 2018, publicada no Diário da Justiça Eletrônico nº 6450, de 25 de junho de 2018, a Presidência do Tribunal de Justiça do Estado do Pará designou o Juiz Substituto André Souza dos Anjos para responder pela Comarca de Jacareacanga.

Antes teria sido nomeado o Juiz de Direito Substituto Charbel Abdon Haber Jeha, que não chegou a vir à Comarca de Jacareacanga que estava desfalcada da presente de um Juiz a quase 120 (cento e vinte) dias.

O novo Juiz passou a responder pela Comarca de Jacareacanga desde 4 de julho do ano em curo e encontrou centenas de ações pendentes de apreciação, dentre elas 5 (cinco) ações populares que foram promovidas contra o Prefeito de Jacareacanga e vários outros Réus em consequência de desvios de recursos públicos.

Estas ações estão pendentes de exames de medidas liminares que ainda não foram examinadas e terão por finalidade a condenação dos Réus em ressarcirem ao erário público eventuais valores que tenham sido objetos de desvios. 

Em razão da falta de Juiz na comarca para os trabalhos judicantes, várias ações populares deixaram de serem promovidas uma vez que o então Juiz titular da Comarca estava se julgando suspeito por questões de foro íntimo para processar e julgar essas ações.

Voltando a normalidade os trabalhos da Justiça em Jacareacanga, outras ações populares estarão sendo promovidas nos próximos dias, desta feita para coibir desvios de recursos públicos através de supostas aquisição de materiais permanentes (móveis para escritório, aparelhos de ar condicionado, eletroeletrônicos, eletro portáteis, eletrodomésticos, aparelhos de multimídia e outros).

Outras serão promovidas para coibir as contratações, através de inexibilidade de licitações, de empresas e profissionais liberais para prestações de serviços como Contabilidade, Informática e Assessoria Jurídica, já que levadas a efeitos de forma ilegais.

Como o Prefeito de Jacareacanga, Raimundo Batista Santiago e seus principais assessores se dizem honestos, então não terão nada a temer com as ações que estão sendo promovidas.

Eis o teor da última portaria de nomeação de Juiz para responder por Jacareacanga-PA:

PORTARIA N° 2723/2018-GP. Belém, 21 de junho de 2018.
Considerando os termos da Portaria 2668/2018-GP.
DESIGNAR o Juiz de Direito Substituto André Souza dos Anjos para responder pela Comarca de Jacareacanga a partir de 04 de julho do ano de 2018, até ulterior deliberação.”
POR: DOMINGOS BORGES DA SILVA.

10 de jul de 2018

GOVERNO DE JACAREACANGA E AS FRAUDES NA CONTABILIDADE DOS GASTOS PÚBLICOS

Qualquer administrador público sabe que uma de suas preocupações deve estar voltada às prestações de contas dos gastos sujeitos à sua administração, mas isto não é o que vem ocorrendo no grande Município de Jacareacanga, situado no Sudoeste do Estado do Pará, com cidade de pequeno porte.

Em Jacareacanga, o Prefeito Municipal, Raimundo Batista Santiago, alegando notória especialização, contratou com inexibilidade de licitação o ESCRITÓRIO SALOMÃO & ARAÚJO SERVIÇO DE CONTABILIDADE LTDA., inscrita no CNPJ/MF sob o nº 07.479.442/0001-01, com sede e domicílio na Cidade de Belém, Estado do Pará, na Trav. Chaco 1683 Sala 102 Bairro Marco, CEP: 66093-410, para prestar os serviços de contabilidade para o Município.

Essa empresa tem como sócios apenas dois Contadores: JOSÉ NAZARENO DE ARAÚJO JUNIOR e JAIMILLY QUINTERO SALOMÃO, inscrita no Conselho Regional de Contabilidade nº. 11341/0, todos residentes na Cidade de Belém e a última é quem assinada a contabilidade do Município de Jacareacanga.
CONTRATOS
 

 
Essa empresa de contabilidade ainda mantém contratos com pelos menos mais dois outros Municípios do Estado do Pará, no caso, Aveiro e Rurópolis.

No primeiro Contrato celebrado pelo Município de Jacareacanga com este Escritório, os serviços foram contratados ao custo mensal de R$ 15.000,00 (quinze mil reais) e valor global de R$ 180.000,00 (cento e oitenta mil reais).

No segundo Contrato, este vinculado à Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Turismo – SEMAT, que tem como Secretário o cidadão Everton Sales da Silva, o custo mensal é de R$ 1.500,00 (um mil e quinhentos reais) e valor global de R$ 18.000,00 (dezoito mil reais), sendo que referido Secretário não é ordenador de despesas, para assim justificar esse Contrato.
Além das ilegalidades na inexibilidade de licitação, uma vez que no ramo de contabilidade não há esse ou aquele Escritório que possa se sobressair à notória especialização que deve manter singularidade com o serviço a ser prestado, impedindo eventual competição em licitação, o que não foi o caso.
  
Chama à atenção nos Contratos citados é que a empresa e seus sócios tem sede e domicilio na cidade de Belém-PA, sendo humanamente impossível prestarem seus serviços de forma diária na cidade de Jacareacanga, que fica localizada há mais de 1.700 quilômetros da cidade de Belém, muito menos nos dois outros municípios em que mantém contrato.

Mas o que é mais grave nessas supostas prestações de serviços contábeis à Prefeitura Municipal de Jacareacanga é que informações através de documentos estão sendo feitas ao Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará em duplicidade e em outros casos de forma fraudulenta.

Há informações de aquisições de bens e serviços em duplicidade; valores de despesas informados sem a descrição do bem ou serviço adquirido, além de várias outras ilegalidades.

Para se ter uma ideia, no Demonstrativo da Despesa com Pessoal da Prefeitura Municipal de Jacareacanga,  encaminhado ao Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará, relacionado ao primeiro quadrimestre de 2018, foi informado que a referida despesas teria sido no importe de R$ 41.951.946,63 (quarenta e um milhões, novecentos e cinquenta e um mil, novecentos e quarenta e seis reis e sessenta e três centavos), já incluído eventuais restos a pagar.
Esse valor corresponde a uma media de gastos mensais em torno de dez milhões e duzentos mil reais, o que representa uma irrealidade em relação ao Município de Jacareacanga.

As despesas do Município, inerente ao período do primeiro quadrimestre ficou em R$ 9.565.564,23 (nove milhões, quinhentos e sessenta e cinco mil, quinhentos e sessenta e quatro reais e vinte e três centavos), o que não corresponde a um quarto do valor que foi informado ao Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará, como sendo despesas com pessoal no mesmo período.

A prestação de contas do Município de Jacareacanga referente ao primeiro quadrimestre de 2018, até a presente data ainda não foi apresentada integralmente ao Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará, embora decorridos mais de onze dias do prazo prorrogado.

Enquanto isto Prefeitos simulam que prestam contas ao Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará e este finge que as analisa.

Os órgãos de fiscalização (Câmaras Municipais de Vereadores e Ministério Público), diante de denúncias acham que são meras perseguições aos gestores públicos, embora os documentos que demonstram as ilegalidades sejam de origem do Município envolvido.

Na Justiça, há sempre as manobras para não serem examinadas as ações que visam coibir a dilapidação do erário público e em muitos casos o cidadão tem que esperar a boa vontade do Magistrado examinar os pedidos de liminares e até mesmo sentenciar nos processos, isto quando o próprio Juiz não se volta conta os autores das ações.

Mas ainda se acredita no poder de investigação da Policia Federal e de órgãos desvinculados das manobras políticas, como o GAECO e Juízes sérios, comprometidos em cumprir e fazer com que as leis. POR: DOMINGOS BORGES DA SILVA

5 de jul de 2018

COMO É QUE SE CONSTRÓI UMA NOVA HISTÓRIA? COM FATOS!

Na noite do dia 03 terça-feira, no ginásio Raimundo Queiroz em uma partida da COPA VERDE, o atleta e jogador Vinícios do Nova Cidade, ao disputar uma jogada com seu adversário, se desequilibrou e caiu batendo sua cabeça no concreto e ficou desacordado por alguns minutos, devido o contato com o outro jogador e o baque na cabeça.
Uma ambulância estava no local do evento para prestar apoio, más, tinha apenas um motorista, não tinha técnicos de enfermagem e nem enfermeiros para cobrir um possível incidente como esse que aconteceu.

O jogador Vinícios do Nova Cidade, teve que ser amparado por populares, inclusive pelo diretor de esportes do município, também por um funcionário do próprio ginásio, vez quê,  no local não tinha profissionais qualificados para o atendimento do atleta. 

Parabéns aos dois servidores pela atitude de socorrer o jogador no primeiro momento, más isso só prova que a desorganização desse governo continua a passos largos e tem sido sua maior aliada em todos os eventos.
Espero que tudo esteja bem com o atleta e que isso sirva de exemplo! 

FF - Sem mais delongas......Agradecimento a um desportista pela informação repassada ao Blog.

COMO É QUE SE CONSTRÓI UMA NOVA HISTÓRIA?
COM FATOS!

4 de jul de 2018

Além do povo, um hospital na UTI

JACAREACANGA, se isso é construir uma nova história, imaginem Jacareacanga sendo levada a sério por aqueles que deveriam fazer a diferença, porém, quando for uma velha história como ficará? O que mais me deixa intrigado, é que a justiça finge que está tudo bem e nada é feito para coibir essa falta de compromisso com o povo dessa cidade, não conta com a câmara de vereadores, pois a maioria são aliados.
Já o povo vive uma vida de escravidão por medo de retaliação contra seus familiares por aqueles que insistem em a firmar que o homem está fazendo um bom trabalho, evidente que deve estar sim, veja como ficou a obra do hospital municipal de Jacareacanga, depois de milhões investidos ano passado! Isso só prova que essa administração não tem direção, a mesma não tem tempo para trabalhar, ou se defender dos processos que cada dia crescem, existem muitos babões que passam horas no rádio elogiando esse governo que está fadado ao declínio por colocar essa cidade rastejando já que o comercio da mesma parou e muitas pessoas ficaram desempregadas, tudo isso por causa de uma administração aranhada de tanto escândalos e processos. A câmara e alguns vereadores brincam de fiscal do povo, há aqueles que afirmam colocar a mão no fogo pelas autarquias a qual são subordinados e lambem a ponta dos sapato do coronel mão de ferro e diz estou contigo e não abro brother! Más tem aqueles que batem e assopra.
Pasmem senhores(as), os únicos vereadores(as) que defendem ainda são tachados de encrenqueiros e perseguidores do Gestor, e são travados por exercer suas atribuições de fiscal dos gastos do prefeito e secretários. 
  SERÁ QUE CONTINUA DO MESMO JEITO O HOSPITAL MUNICIPAL? HÁ QUEM AFIRME QUE TEM HOSPITAIS DE OUTRAS CIDADES PIORES! NOBRE TORIDADE, ESTAMOS EM JACAREACANGA E NÃO EM OUTRA CIDADE, CAI DOENTE E TE ENTERNA NO LEITO DESSE HOSPITAL E DEPOIS FALE SE ESTÁ BOM OU NÃO!  E OS POLITICOS DAQUI, ANDAM NA RUA TODOS ORGULHOSOS POR ACHAREM QUE ESTÃO FAZENDO ALGO MUITO BOM PARA ESSA GENTE. 
ACORDA POVO, ATÉ QUANDO VIVERÃO FINGINDO QUE ESTÁ TUDO BEM?   
ESSA É A SAÚDE QUE VOCÊS QUEREM?
CONTRA FATOS NÃO HÁ ARGUMENTOS.  

30 de jun de 2018

Índios Munduruku denunciam pratica abusiva contra seu povo

Os caciques do Povo munduruku manifestam contra práticas de falsificação de documentos em nome do povo munduruku
I REUNIÃO DO CONSELHO COMUNITÁRIO
Aos dias vinte dois do mês  de junho de dois mil e dezoito, as treze horas e vinte e três minutos, no auditório da Associação Indígena Pusuru,localizado na cidade de Jacareacanga Estado do Pará, situada na avenida Tenente Fernandes.  A reunião foi conduzido pelo coordenador da Associação Indigena Pusuru o senhor Adaísio Kirixi Munduruku, dando boas vindas a todos os caciques presentes e cacique geral e da comissão dos caciques da região do Cururu, Teles Pires, Kabitutu, Rio das Tropas e das suas aldeias, que consta no estatuto da Pusuru,  em seguida foi apresentado os caciques que está no conselho comunitário denominado como conselho dos caciques como: Andre Tawe Munduruku da aldeia Santa Maria, Venâncio Poxo Munduruku da aldeia Missão Velha, Vivaldo kirixi Munduruku da Missão Cururu, Fernando Kirixi Munduruku da aldeia Morro do Korap, Ambrosio Poxo da aldeia Waro Apompu, Lamberto Paigo Munduruku da aldeia Restinga, Antonio Cosme Munduruku da Aldeia Santo Antonio, Creto Waro Munduruku da Aldeia Prainha, Disma Muo Munduruku da aldeia Teles Pires, Ambrosio Waro Munduruku da Aldeia Teles Pires, Jose Emiliano Kirixi Munduruku da aldeia Papagaio, Sebatião Saw da aldeia Primavera, Arnaldo Kaba cacique geral da aldeia Katõ, Edmundo Tome Akay Munduruku da aldeia Katõ, Dionisio Kirixi Munduruku da aldeia Biriba, Vivente saw Munduruku da Aldeia Sai Cinza, Rosildo Saw Munduruku da aldeia Sai Cinza, Thomas Manhuary da aldeia Caroçal Rio das Tropas, Rozenilda Kirixi Munduruku da aldeia Karapanatuba, Abraaão Akay Munduruku da aldeia Karapanatuba, esses fazem  parte do conselho  com o total de 20 caciques,   muitas das vezes podem ser convidados os conselhos dos caciques para resolver as situações, sendo que são obrigações de acompanhar e fiscalizar os trabalhos, sendo que esteve recentemente a Assembleia, mas muitas coisas não foram resolvidos:
CARTA ELABORADA DURANTE REUNIÃO DO CONSELHO DOS CACIQUES DENOMINADO I REUNIÃO DO CONSELHO 
COMUNITÁRIA
CARTA DE REPÚDIO DE PRÁTICA DE FALSIFICAÇÃO DE DOCUMENTO E DA REUNIÃO NA ALDEIA PATUAZAL.
Cumprimentando-o respeitosamente, Vossa Excelência, nós caciques, lideranças presente no I Reunião do Conselho Comunitário denominado conselho dos caciques, realizado nos dias 22 e 23 de junho corrente exercício, na sede da Associação Indígena Pusuru – AIP, Jacareacanga, Estado do Pará. As quais estão compostas por vinte caciques representantes das comunidades e diferentes regiões das terras indígenas do Alto Tapajós, escolhido em Assembleia Geral tem como finalidades;
Incentivar a união e fortalecimento da organização munduruku, protegendo os interesses do povo de acordo com organização social e as tradições culturais;

Vimos por meio deste em nome do Povo Munduruku juntamente com a nossa entidade Associação Indígena Pusuru – AIP representante juridicamente legal do povo Munduruku, repudiar inventário da nossa parenta Maria Leuza Cosme Kaba Munduruku onde “comunicar a FUNAI, ao MPF, ao prefeito e demais autoridades que assembleia geral do povo munduruku na aldeia Restinga realizada entre dias 15 a 18 de maio, havia garimpeiros Munduruku armados com revolver”.  Nós caciques, lideranças, estivemos presentes nesta assembleia, mas não tínhamos vistos os parentes armados. Lembramos que o ministério público pode comprova dessa situação porque esteve presente meio do povo na XXVII Assembleia geral do povo Munduruku, entendemos que a nossa parenta está tentando desqualificar nosso importante evento que vem acontecendo durante vinte e sete anos de existência de lutas do povo munduruku. Vale lembrar também que através deste evento nos conseguimos nossa educação, saúde, demarcação e homologação de nossa terra durante vinte anos de lutas. Manifestamos também através deste a fim de formalizar Associação Indígena Pusuru não está autorizando a entrada de garimpeiro não indígena, nem indígena na atividade de garimpagem. Sabemos que a entidade já recebeu muita calunia por envolvimento dessa atividade ilegal para desqualificar sua representatividade com autoridades que apoiam defesa dos direitos e meio ambientes. Os apoiadores que apoiam interesses ou direitos dos povos indígenas não estão apoiando por motivo das mentiras e calunias que parenta levantava contra a entidade, as mentiras se tornou a verdade, porque não tínhamos manifestados para desmentir a questão. Isso trouxe divisão do povo munduruku porque a maioria apoia Pusuru e minoria rejeitava, e os apoiadores também acabam acreditando as mentiras da parenta Maria Leuza Cosme Kaba Munduruku. Repudiamos também realização de encontro previsto no mês de julho na aldeia Patuazal. Por motivo que nossa parenta realiza os encontros só para beneficiar interesse próprio não para interesse do povo. Os caciques, lideranças, pajés e professores recentemente teve Assembleia geral do povo Munduruku, onde foi decidida pela maioria dos caciques de 140 aldeias situadas na terra Indígena Munduruku que qualquer evento, reunião e entrada de pessoas desconhecidas devem ser consultados a representante maior que é a ASSOCIAÇÃO INDIGENA PUSURU, caso não cumprir esta norma pode acontecer imprevisto, as outras associação que existem como organizações menores, estes só podem representar as aldeias locais de origem e poderão representar o povo munduruku em geral somente com a participação da Associação Indígena Pusuru - AIP. 
Considerando que recentemente foi criado mais uma ASSOCIAÇÃO WAKO BURUM, a maioria das mulheres indígenasmunduruku e homens não foram consultados para criação desta organização, o povo munduruku não aceita essa representatividade, devido à falta de desconsideração dos caciques, lideranças, professores e guerreiros (as), sendo que este nome culturalmente não poderá ser mencionado publicamente e muitos anciões (as) e pajés munduruku que sabem da historia indígena se preocupam o que poderá acontecer, ou seja, tragédias fatais futuramente com os parentes indígenas bem tanto nas suas atividades e em outros recintos.  
Considerando que após desta criação WAKO BURUM muitos caciques, lideranças, guerreiros (as) e pajés ficaram revoltados por serem usados os seus nomes na criação e nos documentos indevidamente e que para eles essa organização está contrariando a tradição e costumes do povo munduruku, e que também contrariam nos documentos que são expedidos das aldeias e por isso a decisão da assembleia geral do povo que essa representação não tem validade. Informamos também que a nossa parenta indígena Maria Leuza Cosme Kaba Munduruku não representa o povo munduruku, não consideramos como liderança devido desrespeito, desconsideração de seu povo, caciques e lideranças. 

Por fim, renovo votos de estima e consideração.

Atenciosamente,

Seguem assinaturas dos caciques e lideranças:

Reproduzido de:
http://tapajosinformativo.blogspot.com/2018/06/os-caciques-do-povo-munduruku.html?m=1

29 de jun de 2018

CNJ DETERMINA QUE CORREGEDORIA DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PARÁ APURE CONSTANTES AUSÊNCIAS DE TRABALHOS DE JUÍZES EM JACAREACANGA

O Conselho Nacional de Justiça-CNJ, acatando Pedido de Providências protocolado pelo advogado André Luiz Lima, representando os Srs. Anacleto Raimundo da Costa Madeira e Domingos Borges da Silva, determinou que a Corregedoria de Justiça das Comarcas do Interior do Tribunal de Justiça do Estado do Pará apure constantes ausências dos Trabalhos da Justiça em Jacareacanga.
O Magistrado Marcos Paulo Sousa Campelo, então Juiz titular da Comarca de Jacareacanga foi promovido para outra Comarca de segunda entrância, passando a responder pelo jurisdicionado de Conceição do Araguaia-PA. 

Através do PA-OFI-2018/4853, de 24 de maio de 2018, o Magistrado comunicou ao TJPA que assumiu a titularidade da Comarca de Conceição do Araguaia-PA, tendo o ato de sua nomeação sido publicada na Edição nº 6431, de 24 de maio de 2018, do Diário da Justiça Eletrônico do Tribunal de Justiça do Estado do Pará. 

O Magistrado foi promovido pelo critério de antiguidade para responder pela 2ª Vara, tendo através da Portaria nº 2143/2018-GP, de 25 de maio de 2018, sido designado para responder cumulativamente pela 1ª Vara e direção do Fórum daquela Comarca. 

Na mesma Portaria o Magistrado Marcos Paulo também teria sido designado para responder por Jacareacanga apenas no dia 24 de maio passado, mas não se sabe se que ele esteve na Comarca. 
O Pedido de Providência foi feito ao CNJ diante do fato de que o então Magistrado Marcos Paulo Sousa Campelo havia se julgado suspeito, por questões de foro íntimo para processar e julgar as ações populares, mesmo os autores não sendo amigos ou inimigos do mesmo ou de qualquer dos Réus.

Também foi alegado que em Ação Popular os autores não defendem interesses seus, mas de toda a coletividade, no caso o povo do Município de Jacareacanga que almeja ser administrado por administradores honestos, entendo que não havia motivos para o Magistrado de julgar suspeito. 

Em decorrência do fato, pelo menos 4 (quatro) Ações Populares ainda não tiveram seus pedidos liminares analisados e agora, com o possível restabelecimento dos trabalhos judiciais na comarca, certamente as mesmas serão analisadas, além de outras ações que estão pendentes de exame.  POR: DOMINGOS BORGES DA SILVA.

26 de jun de 2018

JACAREACANGA E SUAS VERDADES EVIDENTES POR SI MESMAS

Em cidades pequenas muitos são os comentários a respeito dos acontecimentos cotidianos, especialmente aqueles que envolvem a administração do Município e Jacareacanga não foge à regra.

Atualmente, comentam em grupos de pessoas, nos Bares e Botecos da cidade, nas Lojas de Conveniências,  nos aglomerados humanos de que o cidadão conhecido por Madeira seria o responsável por várias denúncias que estariam ocasionando a retirada de Camelôs das ruas, de Moto taxistas de seus trabalhos, de empresários de suas atividades, etc, etc.
 
Mas tudo isto não é bem verdade! Não é verdade porque o Sr. Madeira não manda nas vontades do Prefeito! Não é verdade porque o Sr. Madeira não manda nas vontades dos Secretários Municipais! Não é verdade porque o Sr. Madeira não manda nas vontades dos Vereadores nem muito menos do Promotor de Justiça local.
Quando um Município tem um governo que menospreza as classes sociais mais humildes; não conhece o que é austeridade com gastos públicos; não é capaz e ver o claro e muito menos o que mais aflige os seus governados, certamente que vai sempre procurar culpar alguém pelos seus próprios erros.
Realmente o Sr. Madeira denunciou! Denunciou as quantidades absurdas de supostas aquisições e combustíveis que tiveram outras finalidades, que não os atendimentos à população.

Denunciou as contratações ilegais de parentes do Prefeito, dos Secretários e até mesmo dos Secretários dos Secretários, em nepotismo como forma de manter redutos eleitoreiros.

Realmente, o Sr. Madeira denunciou! Denunciou que o atual Prefeito de Jacareacanga comprou materiais para construções desnecessários, pois as poucas obras realizadas em sua gestão as empresas contratadas estavam o brigadas a fornecerem os materiais e ferramentas.

Denunciou os quantitativos absurdos de compras de gêneros alimentícios, cujos tipos e quantidades não se justificavam dentre as necessidades do Município e principalmente de suas Secretarias.

Denunciou as contratações de excessivos profissionais, como advogados, contadores que nunca estiveram na gestão do atual Prefeito de Jacareacanga para executar seus trabalhos em prol do Município.

Denunciou as fantasiosas aquisições de equipamentos e ferramentas de informática que em grandes quantidades não foram justificadas perante o Tribunal de Contas dos Municípios do Estado do Pará, nem tão pouco comprovadas as necessidades de aquisições pelo Município de Jacareacanga.

Denunciou as manobras realizadas nos processos licitatórios como forma do Prefeito contratar empresas apenas para desviar recursos públicos, cujos desvios não foram poucos.
 
 
Estas denuncias foram todas assinadas  e muitas delas promovidas através de advogados que ajuizaram as ações judiciais necessárias, porque quem têm prova das ilegalidades e dos ilícitos penais, com documentos públicos inclusive gerados pelos próprios denunciados, nada se tem a temer.

Mas o Sr. Madeira não denunciou quem efetivamente trabalha, tais como o empresário honesto, o vendedor de sorvete, de picolé, de algodão doce, de salada, de redes, de utensílios domésticos, ou seja, o vendedor ambulante, porque os cidadãos que desempenham esses trabalhos talvez sejam mais dignos do que aqueles que usam gravatas e que acham que por terem as chaves dos cofres do dinheiro público nas mãos podem decidir destinos.

Estas denuncias não surtiram efeitos ainda porque temos um Município que somente em 2018 a comarca passou mais de 120 (cento e vinte) dias sem que um Juiz viesse à cidade para decidir nas ações promovidas.

E o Sr. Madeira não estava sozinho nestas denúncias pois o autor deste artigo as assinou também e só denuncia quem não tem nada a temer! POR: DOMINGOS BORGES DA SILVA

25 de jun de 2018

Uma história contada de trás para frente "CADA POVO REALMENTE MERECE O GOVERNANTE QUE TEM!"

Falta muito pouco pra estourar essa bomba
Desemprego, malandragem, roubos, furtos, escândalos, mascarados, decepção de um povo que foi iludido pela promessa de honestidade, falta de compromisso com a verdade, brincando do cola, a cidade é nossa, fazemos o que queremos, perseguimos nossos adversários,  fechamos as portas de quem é contra aos nossos interesses, uma justiça cega em todos os âmbitos,  a mentira vale mais que a verdade, a falsidade tem mais valor que sinceridade, secretário pousando de cagão em rede social, cama de dinheiro com a filha e menina mimada, pra quem foi esse recada jovem?  Obras superfaturadas, Câmara  e vereadores alienados e amordaçados servindo de troca de favores, para empregar esposas e familiares, povo calado e humilhado por terem que comer as migalhas que caem da mesa do coronel mão de ferro, bocas costuradas para não falar. Uns brincam de autoridades e outros fingem que são amigos, comerciantes calados por medos de serem perseguidos, apoiadores zangados por não terem uma parte da fatia do bolo, pessoas abandonadas a própria sorte dependendo de um hospital que mas parece uma casa fantasma abandonada, obras caras sendo defendidas pelos babões de plantão, construtoras servindo de escada para alimentar famintos por dinheiro publico, obras superfaturadas e eles acham tudo isso normal, dizem até que está dentro da lei, há aqueles inclusive vereador que coloca a mão no fogo por alguns desse governo, infantilidade sim, compromisso com o povo jamais. 

O que mais nos surpreende é o povo, que vive escravo de um sistema que escraviza e aliena todos que cruzam o caminho daqueles que querem ter o poder de dominar, amordaçar, por estarem a frente da instituição que poderia servir de apoiadora aos menos favorecidos, tanto dinheiro sendo gasto de forma errada e um poder parlamentar que era para fiscalizar, continua dando corda para aumentar ainda mais o nó da forca. 

Famílias indo embora sem perspectivas, obras de pessoas humildes embargadas por serem contra a atual gestão, e há aqueles que ainda afirmam que realmente se constrói uma nova história nessa! Vendedores ambulantes sendo retirados sem oferecer nenhum local para trabalharem, más, a cerveja não falta na rodado dos escarnecedores que riem dessa gente que para eles são todas cegas e fáceis de serem manipuladas sobre a ameaça de familiares perderem os míseros salários, por não terem atitudes de lutar pra tornar a cidade melhor.  CADA POVO REALMENTE MERECE O GOVERNANTE QUE TEM! 

Perseguir, tornou-se uma pratica para aqueles que foram eleitos para ajudar e fazer a cidade crescer, a panela e o pires nas mãos dos menos favorecidos, é o maior troféu daqueles que sentem prazer em ver uma sociedade escrava de um sistema politico caduco e covarde contra aqueles que confiaram e os fizeram seus representantes. 

Como dizia um bordão de campanha de um certo candidato, JÁ ERA PAPAI!

19 de jun de 2018

Conhecendo um pouco da nossa história NATUFLOR

 A empresa MG DA SILVA COLETAS, nome de fantasia NATUFLOR, foi criada no dia 17 de Janeiro de 2013, quando registrou suas propostas de trabalho na JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DO PARÁ (JUCEPA) de Itaituba no dia 22 de Janeiro de 2013 a partir da extinção da Cooperativa dos Produtores Extrativistas da Comunidade Rio das Tropas, com o nome de fantasia Coopercomrio, que extinguiu, por vários fatores que contribuíram para sua extinção, e também para organizar e promover o estimulo de um desenvolvimento progressivo e sustentável, em defesa dos menos favorecidos, e  suprir com as necessidades dos moradores do Município ,e comunidades vizinhas de nossa região e ajudar a constituir uma sociedade melhor para o nosso Município, ao longo de todo o vale do Rio Tapajós e afluentes contribuindo com o crescimento dos coletores extrativistas que traziam seus produtos da floresta e oferecer os preços melhor de mercado, foi ai que os coletores extrativistas sugeriram que fosse criada uma empresa com suporte e qualidades que pudesse dar subsídios e sustentabilidade para os coletores da nossa região do vale do Tapajós, município de Jacareacanga, poder vender os seus produtos todos dentro da legalidade exigidas por lei e que os coletores pudesse trabalhar com segurança.
Atualmente a NATUFLOR, conta com um número bastante considerável de coletores extrativista, que coletam os produtos da região, onde muitos coletores já conseguiram vários patrimônios e continuam tirando o sustento de seus familiares e também são agentes da gestão atual do meio ambiente sem levar em conta os interesses e direitos das populações locais extrativistas incluindo neste contesto as comunidades indígenas através de parcerias.

Desde sua fundação, a NATUFLOR é uma empresa que trabalha pensando no presente sem perder a visão do futuro. A partir de uma prática sustentável - que integra as esferas econômicas, social e ambiental em todas as decisões – constrói relações de fidelidade e confiança com coletores e empresários, priorizando o dinamismo e a flexibilidade na realização de atividade com os coletores e manter este intercambio de parcerias e acreditar que a excelência em serviços é o resultado do talento e dedicação de pessoas satisfeitas e entrosadas e preparadas para alcançar sempre o melhor resultado e procurando incentivar os coletores a ser agentes contra agressão ambiental, reflorestamento de áreas degradadas e lutando para sair da linha de pobreza e miséria e não esquecendo que a maior agressão ambiental é a miséria e que o próprio subdesenvolvimento é o principal fator de degradação ambiental e que vivamos em harmonia com a natureza.
DESCRIÇÃO DAS ATIVIDADES ECONÔMICAS SECUNDÁRIAS:
- Coleta de produtos não-madeireiro não especificados anteriormente em floresta nativas.
- Coleta de látex em florestas nativas.
- Cultivo de Seringueira.
- Coleta de castanha-do-pará em florestas nativas.
- Coleta de palmito em florestas nativas.
- Comercio varejista de suvenires, bijuterias e artesanatos.
- Fabricação de artefatos diversos de madeira, exceto móveis.
- Fabricação de artefatos diversos de cortiça, bambu, palha, vime e outros materiais trançados, exceto móveis.
- Fabricação de produtos diversos não especificados anteriormente.
- Apicultura.
- Fabricação de farinha de mandioca e derivados.
A empresa   NATUFLOR   com natureza jurídica e empresarial individual, situada a Avenida Joana Costa Barroso, nº 64  Cep: 68.195-000, Bairro Bela Vista, Cidade de Jacareacanga, Estado do Pará, iniciou as atividades dia 22 de Janeiro de 2013.
    CELULAR:  (93)99186-0403 ou 99118-0532
   JACAREACANGA-PÀ