quarta-feira, 29 de abril de 2015

Brasil intensificará esforços pelo fim da pena de morte no mundo » Blog do Planalto

“Brasil participou de iniciativa da Austrália para oferecer à Indonésia uma cooperação internacional, mais efetiva no combate ao tráfico de drogas do que a execução”, afirmou o embaixador Danese. Foto: Renan Carvalhais/PR
O governo brasileiro vai intensificar seu empenho, perante os organismos internacionais, pela abolição da pena de morte no mundo. A informação foi dada pelo secretário-geral do Ministério das Relações Exteriores, Sérgio França Danese, após ler a nota do governo brasileiro sobre a execução de Rodrigo Muxfeldt Gularte, ocorrida nesta terça-feira (28), na Indonésia.
Em entrevista coletiva à imprensa, Danese destacou que é a execução de um segundo brasileiro representa um “fato grave” para as relações entre os dois países. Ele lembrou ainda os esforços empenhados pelo governo brasileiro pela comutação da pena de Gularte, que chegou a encaminhar sete correspondências ao governo de Jacarta com esse objetivo. A própria presidentaDilma realizou um apelo humanitário em telefonema dado ao presidente indonésio, Joko Widodo, relatou.
O embaixador ainda enfatizou que Brasil atuou em parceria com outros países que tinham cidadãos na mesma situação, além de fazer apelos ao Vaticano e à Secretaria-Geral das Nações Unidas pela reversão da pena.
“O Brasil atuou em ações conjuntas com outros países que tinham nacionais na mesma situação e participou de uma iniciativa, originada pela Austrália, para oferecer ao governo da Indonésia uma cooperação internacional, que acreditamos que seria muito mais efetiva no combate ao consumo e ao tráfico de drogas do que a execução pura e simples dos condenados”, ponderou o embaixador.
Segundo o Itamaraty, o corpo de réu será enterrado no Brasil por decisão da família. Em nota divulgada à imprensa, o governo brasileiro lamentou profundamente o episódio e transmitiu solidariedade à família de Gularte.
Histórico 
Rodrigo Gularte foi condenado à pena de morte pelo crime de tráfico de drogas por ter sido flagrado ao entrar na Indonésia com seis quilos de cocaína dentro de uma prancha de surf, em 2004. Desde então, o Itamaraty fazia um acompanhamento próximo do condenado, buscando a reversão da pena, alegando, sobretudo, aspectos humanitários e o quadro psiquiátrico do brasileiro que, segundo exames realizadas na própria Indonésia, sofria de esquizofrenia. http://www.blogdilmabr.com/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja prudente em seus comentários, agradeço sua visita.