segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Teste rápido de HIV deve ser vendido nas farmácias a partir de fevereiro de 2014


O exame será feito em 20 minutos, com coleta de saliva pela própria pessoa, e deverá custar R$ 8. O governo anunciou também a antecipação do tratamento contra HIV para pacientes em estágio inicial da doença.
Rapidez e confidencialidade são garantias prometidas pelo governo para o teste rápido da doença (divulgação assessoria vereadora Professora Jaqueline) 
Para facilitar o diagnóstico do HIV e antecipar o tratamento de pessoas que podem desenvolver a aids, o Ministério da Saúde deve autorizar a venda, em farmácias, de um teste rápido para detectar o vírus, a partir de fevereiro de 2014. Produzido pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o exame é feito em 20 minutos, com coleta de saliva pela própria pessoa, e deverá custar R$ 8. 
A informação foi confirmada pelo diretor do Departamento de DST/Aids e Hepatites Virais do ministério, Fábio Mesquita, durante evento no Rio de Janeiro neste domingo (1°), Dia Mundial de Luta contra a Aids. Na ocasião, o governo federal anunciou a antecipação do tratamento para pessoas com o HIV. Antes, somente pacientes com a doença desenvolvida recebiam medicamentos.
 De acordo com o diretor, o teste rápido de HIV tem duas vantagens: “Uma delas é a confidencialidade. A pessoa vai à farmácia pega o teste e faz em casa, sem precisar ver um agente de saúde e dividir isso com ninguém. A segunda vantagem é a rapidez, não tem fila, não precisa ir ao posto, não precisa esperar o tempo que leva [para sair] o resultado de um exame normal”, esclareceu Mesquita. 
Ao disponibilizar o teste rápido de HIV, vendido na internet por um laboratório americano por cerca de R$ 160, o ministério pretender iniciar o tratamento mais cedo e melhorar a qualidade de vida de pessoas com HIV, além de reduzir em cerca de 96% o risco de contágio, principalmente para parceiros fixos ou durante a gestação, quando o vírus pode passar da mãe para o bebê.
 Dados do ministério apontam que cerca de 150 mil pessoas, de um total de 700 mil estimadas com a doença, não sabem que têm o vírus HIV. No Brasil, embora a prevalência de pessoas convivendo com o vírus seja considerada baixa para o conjunto da população (0,4%), a infecção é alta entre meninas entre 14 e 19 anos e meninos gays, de acordo com o ministro da Saúde, Alexandre Padilha. 
Segundo Padilha, grande parte dos casos de detecção de HIV em meninas ocorre durante o pré-natal. “Nessa faixa etária tem muita gravidez na adolescência, em situação vulnerável, por isso, descobrimos mais meninas que homens [com o vírus]”, disse. “Elas engravidam já infectadas”, reforçou. Os jovens são público-alvo da campanha contra a aids lançada neste domingo (1°).  ISABELA VIEIRA (AGÊNCIA BRASIL)

2 comentários:

  1. Certamente isso será uma grande ajuda para aqueles que tem medo de hospital, será mais fácil sim. Parabéns pela ideia.

    ResponderExcluir

Seja prudente em seus comentários, agradeço sua visita.

Pela FÉ

Pela FÉ

De ponta a ponta ligado com o Mundo!

De ponta a ponta ligado com o Mundo!
FORUM PERMANENTE DE DEBATES Eis minha intenção em criar este espaço; as matérias que forem publicadas no FARO FINO, se produzirem comentários serão respondidas respeitando a opinião dos leitores. Todos os comentários devidamente assinados serão considerados e publicados, desde que não exponha a moralidade de pessoas. Evidentemente que comentários imorais ou que visem ridicularizar, humilhar pessoas também serão descartados.

Muitas vezes por sermos homens de projeção publica, posamos de vidraças, e as pedras dos insensatos, de longe são atiradas, mesmo não querendo o FARO FINO para essa finalidade, também posso ser pedra de estilingue, ou até a funda que Davi usou para tirar de orbita o gigante Golias.