sábado, 18 de fevereiro de 2012

Conhecendo a capital amazônica

Encravada na Floresta Amazônica, Manaus é uma metrópole de quase 1,5 milhão de habitantes e a capital do Amazonas, o maior Estado brasileiro. A cidade impressiona pelas belezas naturais, com parques ecológicos e uma sucessão de áreas verdes que parece não ter fim. É uma terra de contrastes, que mescla natureza exuberante, um pólo industrial de alta tecnologia e os resquícios de um passado glorioso, no auge do comércio internacional da borracha.
Manaus surgiu na segunda metade do século XVII, com a construção do Forte de São José da Barra, na margem esquerda do rio Negro, cuja finalidade era proteger a região contra a invasão estrangeira. O nome da capital é referência aos índios manaos, que aí habitavam.
Durante muitos anos, a cidade viveu praticamente isolada. No entanto, a partir do século XIX, com o crescimento do comércio internacional da borracha, cuja matéria-prima, o látex, era extraída das seringueiras nativas da floresta, Manaus começou a atrair a atenção de homens de negócio de todo o mundo.
No fim do século XIX, a riqueza gerada pela exportação da borracha financiou a construção, em plena selva, de prédios luxuosos que reproduziam os estilos arquitetônicos em moda na Europa. No Teatro Amazonas, um dos maiores símbolos do desenvolvimento econômico daquele período, se revezavam orquestras e companhias européias de ópera.
Com o declínio do comércio da borracha, Manaus passou por longo período de esquecimento. Readquiriu importância econômica com a instalação de um parque industrial incentivado pela instituição da Zona Franca, em 1957. Hoje, destacam-se empresas que utilizam tecnologia de ponta para a produção nos setores de eletroeletrônicos, informática e comunicação.
Chove muito de dezembro a maio, deixando as cachoeiras dos arredores da cidade mais bonitas. No resto do ano, quando chove menos, surgem as praias fluviais no Rio Negro Eventos Fevereiro - Carnaval amazonense – desfile das escolas de samba no Centro de Convenções "sambódromo"
A maioria dos hotéis de Manaus se localiza no centro da cidade. São estabelecimentos adequados a viagens de negócios, mas que hospedam perfeitamente os turistas. Em Ponta Negra, à beira de uma praia fluvial, está instalado um grande resort com opções de lazer e estrutura para convenções. Para os que desejam se aventurar pela floresta amazônica, há as opções dos hotéis de selva, cujo acesso é feito por meio de barcos pelo rio Negro.
A culinária local tem como carros-chefe os peixes e vegetais amazônicos. Entre os pratos mais apreciados estão os preparados com peixes como tambaqui, matrinxã, jaraqui, pacu, pirarucu e tucunaré, assados, ensopados ou fritos. Nas ruas podem-se provar quitutes típicos, como o tacacá, uma espécie de sopa preparada com tucupi, camarão seco, goma de mandioca e folhas de jambu. Para a sobremesa, recomendam-se as exóticas frutas locais, ao natural ou em sucos, sorvetes e doces. Açaí, araçá, abacaba, cupuaçú, graviola, buriti e taperebá são algumas das mais apreciadas.
Quem preferir pratos mais convencionais encontra opções variadas de restaurantes de outras cozinhas, como italiana, portuguesa, japonesa e internacional.
O Teatro Amazonas é o maior símbolo do apogeu econômico de Manaus. Tem 700 lugares e foi construído com tijolos trazidos da Europa, vidros franceses e mármore italiano. Nele já se apresentaram importantes companhias de ópera, teatro e orquestras internacionais.
A praia da Ponta Negra, localizada a 13 km do centro de Manaus, é um dos importantes atrativos turísticos da cidade. O complexo possui quadras esportivas de areia, ciclovia, mirante, playground, um posto médico e um amplo calçadão com bares, restaurantes e lanchonetes. Dali pode-se admirar um extraordinário pôr-do-sol. Dispõe também de um moderno anfiteatro, com capacidade para 15 mil pessoas, camarim e toda a infra-estrutura para shows, sendo palco constante de diversos espetáculos populares.
Tarumã, Tarumãzinho e Cachoeira das Almas, os igarapés (braços de rios) localizados nas proximidades da cidade, são fontes de lazer para a população nos finais de semana. Manaus possui vários balneários públicos ou "banhos", como são conhecidos, que ultimamente, encontram-se em fase de recuperação e urbanização. Há também vários clubes particulares que podem ser visitados.
Para os passeios às praias e parques situados nas proximidades da cidade, muitas vezes faz-se necessária a utilização de barcos. As praias aparecem logo após o início do período de vazante dos rios, que vai de agosto à novembro. No período de cheia, a partir de dezembro, as águas invadem a areia e a mata das margens.
A Cachoeira do Paricatuba situada na margem direita do Rio Negro, num pequeno afluente, a cachoeira é formada por rochas sedimentares, cercada por uma vegetação abundante. O acesso é feito por via fluvial. O melhor período para visitação é de agosto à fevereiro.
A Cascatinha do Amor localizada no igarapé do Guedes, de águas límpidas e frias, a cascata é acessível apenas por via fluvial e, depois, através de uma pequena caminhada pelo meio da floresta.
A cerca de 34 km de Manaus, a praia do Tupé é bastante procurada por banhistas nos feriados e finais de semana. O acesso é feito exclusivamente por via fluvial. Durante a cheia do Rio Negro a praia fica restrita a 20m de largura e, na vazante, atinge até 80m.
 http://www.stw.tur.br

****************************************************************
Informativo FARO FINO.
Mensagem  para reflexão
" A vida sempre coloca em nossa frente várias opções. A escolha é livre, mas, uma vez feita a opção, cessa nossa liberdade e somos forçados a recolher as consequências." Baixada do Facebook por Anônimo

Um comentário:

  1. Eu gosto muito da minha querida Manaus, infelizmente eu estou aqui em Santarém terminando meus estudos, mas, retornarei logo logo pra minha cidade linda. Julio Almeida.

    ResponderExcluir

Seja prudente em seus comentários, agradeço sua visita.