quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Quais são as Diferenças entre Alegrias Espirituais e Mundanas?

Quais são as Diferenças entre Alegrias Espirituais e Mundanas?(1) Alegrias espirituais ajudam a nos tornar melhores, mas as alegrias mundanas muitas vezes nos fazem piores.
“Falei contigo na tua prosperidade, mas tu disseste: Não ouvirei.” (Jer 22:21)
Orgulho e luxúria são os dois vermes que são criados a partir de prazeres mundanos. O vinho é o inflamador da luxúria. Assim Satanás tem entrado muitas vezes no cálice.
Mas a alegria espiritual faz alguém melhor; é como o remédio que os médicos dizem que, não somente faz bem ao coração – mas expurga todos os agentes nocivos. Assim a alegria divina é o medicamento, que não somente conforta, como purifica; tornando um cristão mais santo; e isto causa uma antipatia contra o pecado; infunde força para viver e sofrer por Cristo.
“A alegria do Senhor é a vossa força.”
Algumas cores não apenas encantam o olhar, como fortalecem a visão. Assim, as alegrias de Deus não apenas refrigeram a alma, como a fortalecem.


(2) Alegrias espirituais são alegrias interiores, alegrias do coração.
“Seu coração se alegrará”, João 16:22. A verdadeira alegria está escondida no interior, a alegria mundana fica do lado de fora, como o orvalho que molha a folha. Lemos sobre aqueles que “se alegram com a aparência”, apenas na face, como se lê em 2 Coríntios 5:12. É alegria que não vai além da face, que não está no interior do coração.
“O riso pode esconder um coração pesado, quando o riso termina, a dor permanece.” – Provérbios 14:13.
Como uma casa que tem uma fachada de ouro, mas todos os quartos estão em luto em seu interior. Mas a alegria espiritual encontra-se mais interiormente. “Seu coração se alegrará.”
A alegria divina é como uma fonte de água que corre no subsolo! Outros podem ver os sofrimentos de um cristão, mas eles não veem a sua alegria.
“O coração conhece a sua própria amargura, e da sua alegria não participará o estranho.” – Pv 14:10.
Sua alegria é maná escondido – oculto aos olhos do mundo; ele tem uma música alegre que os outros não podem ouvir. A medula está no interior, a melhor alegria está dentro do coração.


(3) Alegrias espirituais são mais doces do que alegrias mundanas.
“Seu amor é mais doce do que o vinho!” – Cântico dos Cânticos 1:02.
As alegrias espirituais são a festa de um cristão; elas são o pote de ouro e o maná doce, elas são tão doces, que elas tornam tudo o mais doce!
As alegrias espirituais adoçam a saúde e o nosso estado, como a água doce regada em flores as tornam mais perfumadas e fragrantes.
As alegrias divinas são tão deliciosas e arrebatadoras, que elas tiraram da nossa boca o gosto pelos deleites terrenos; assim como aquele que tenha bebido licores gosta menos da doçura na água.
Paulo tinha provado essas alegrias divinas dessa forma, que sua boca estava sem gosto para as coisas do mundo; o mundo estava crucificado para ele – era como uma coisa morta, ele não conseguia encontrar doçura nele – Gál 6:14.


(4) Alegrias espirituais são mais puras, elas não são misturadas com ingredientes amargos.
A alegria de um pecador é misturada com sedimentos, é amargada com medo e culpa – ele bebe vinho de absinto. Mas a alegria espiritual não é turvada com a culpa, mas como uma corrente de cristal, ela corre pura. É uma rosa sem espinhos; é mel sem cera.
(5) Alegrias espirituais são alegrias satisfatórias.
“Pedi para que a vossa alegria seja completa.”
As alegrias mundanas não podem encher o coração mais do que uma queda pode encher um oceano; elas podem agradar o paladar ou a imaginação, mas não podem satisfazer a alma.
Não importa o quanto vejamos – nunca estamos satisfeitos. Não importa o quanto ouçamos – não estamos satisfeitos. (Eclesiastes 1:08).
Mas as alegrias de Deus satisfazem. “Suas consolações recreiam a minha alma.” – Salmo 94:19.
Há tanta diferença entre as alegrias espirituais e as alegrias terrenas – como entre um banquete que é comido e aquele que é pintado na parede!


(6) As alegrias espirituais são mais fortes do que as alegrias mundanas.
“forte consolação.” – Heb 6:18. Elas são fortes alegrias de fato, que podem sustentar até o coração do cristão em provações e aflições. “Tendo recebido a palavra em muita tribulação, com alegria.” Estas alegrias são rosas que crescem no inverno! Estas alegrias podem adoçar as águas amargas de Mara! Quem tem essas alegrias, pode colher uvas de espinhos, e buscar mel na carcaça de um leão! “Como entristecidos, mas sempre alegres” – 2 Coríntios 6:10.
No final da jornada – o cristão saboreia mel!


(7) As alegrias espirituais são alegrias incansáveis.
Outras alegrias, quando em excesso, frequentemente causam repugnância; muito mel enjoa.
Alguém pode estar cansado de prazeres, bem como de trabalho. O rei Xerxes ofereceu uma recompensa para aqueles que pudessem descobrir um novo prazer!
Mas as alegrias de Deus, apesar de satisfazerem – todavia, nunca em excesso. Uma porção de alegria é doce, mas quanto mais deste vinho é melhor! Tal como a bebida das alegrias do céu, nunca são saturadas. Sua saciedade é, sem aborrecimento, porque eles ainda desejam mais da alegria com a qual eles são saciados.


(8) Alegrias espirituais são alegrias permanentes.
As alegrias mundanas logo desaparecem. Tal como coroar-se com botões de rosa, e banhar-se nas águas perfumadas de prazer pode gerar alegrias que parecem ser doces, mas elas são breves. Elas são como meteoros, que dão um flash brilhante e repentino, e em seguida, desaparecem. Mas as alegrias dos crentes são permanentes; elas são uma flor da eternidade, um fluxo daqueles rios de prazer que correm à mão direita de Deus!
“Em Tua presença há alegria abundante, em sua mão direita há delícias eternas!” (Salmo 16:11Texto de Thomas Watson, traduzido e adaptado por Silvio Dutra.

2 comentários:

  1. Hey! Estamos entrando em contato porque gostamos do seu blog. Ajudamos bloggers como você a crescer com os seus negócios. Se você está interessada em saber mais, por favor entre em contato conosco pelo email: contato@cortejando.com

    ResponderExcluir

Seja prudente em seus comentários, agradeço sua visita.