quinta-feira, 10 de abril de 2014

Achado arqueológico pode provar que Jesus era casado, diz universidade americana

Pesquisadores de Harvard explicam que uma mulher é mencionada por Jesus no documento.
No fim da quarta linha estaria escrito "Jesus disse-lhes: a minha mulher" Reprodução/huffingtonpost.com
A Universidade de Harvard anunciou nesta quinta-feira (10) que o pedaço de papiro encontrado em 2012 no qual há uma menção de uma possível mulher de Jesus é real.
Na época em que foi divulgado, o jornal do Vaticano afirmou que o documento era falso, por causa da gramática e origem incerta. 
O documento, chamado de "Evangelho da Esposa de Jesus" foi escrito em copta, uma variação do alfabeto grego, é composto de oito linhas escuras na frente e seis linhas pouco legíveis na parte de trás.
A escrita, a gramática e o papel foram testados inúmeras vezes para garantir a autenticidade do documento. 
De acordo com os especialistas, o fragmento foi escrito por volta do século IV. 
Segundo Karen L. King, professora de Harvard, o documento não foi feito para provar que Jesus foi casado. Ela argumenta que ele destaca que alguns dos primeiros cristãos acreditavam que ele era casado. 
Para ela, é importante que se faça essa distinção, já que muito se discute sobre o casamento e a sexualidade dentro das igrejas. Cita também a Igreja Católica, que usa o celibato de Cristo como uma razão para que seus sacerdotes abstenham-se de uma vida sexual ou afetiva. 
— O tema principal do fragmento é afirmar que mulheres, mães e esposas, eram próximas de Jesus. O tema já foi muito discutido no início do cristianismo. A virgindade e o celibato tornaram-se cada vez mais valorizadas. Este documento fornece uma razão para reconsiderar o que pensávamos sobre o estado civil de Jesus, o que contraria os ideais cristãos sobre casamento, celibato e família.
As linhas legíveis do documento parecem formar uma conversa entre Jesus e os discípulos. Na quarta linha do texto, lê-se "Jesus disse-lhes: a minha mulher". Na quinta linha, está escrito "ela será capaz de ser um discípulo". Na sétima linha, a frase é "quanto a mim, moro com ela, a fim de...". A palavra "esposa" também é encontrada no papiro. 
King anunciou a existência do fragmento em setembro de 2012, no Congresso Internacional de Copta em Roma. Na época, estudiosos disseram que a escrita, a gramática, o material do papiro, a cor e qualidade da tinta o tornavam suspeito. O fato de que o dono do fragmento era anônimo também levantou dúvidas.
A Universidade de Harvard decidiu não publicar nada sobre o documento até realizar mais testes e análises. A Universidade de Columbia e o Instituto de Tecnologia de Massachusetts estão envolvidos na pesquisa. 
O documento será publicado em uma revista acadêmica e já foi divulgado na internet. Os especialistas dizem que provavelmente as críticas continuem. Nos dois meios de divulgação, são levantadas outras dúvidas que contribuem para a incerteza do conteúdo. O professor de Egiptologia da Universidade, Brown Leo Depuydt, afirmou que trata-se de uma farsa por possuir erros gramaticais. Ele disse que um escritor copta nativo jamais escreveria com erros. Do r7

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja prudente em seus comentários, agradeço sua visita.

Pela FÉ

Pela FÉ

De ponta a ponta ligado com o Mundo!

De ponta a ponta ligado com o Mundo!
FORUM PERMANENTE DE DEBATES Eis minha intenção em criar este espaço; as matérias que forem publicadas no FARO FINO, se produzirem comentários serão respondidas respeitando a opinião dos leitores. Todos os comentários devidamente assinados serão considerados e publicados, desde que não exponha a moralidade de pessoas. Evidentemente que comentários imorais ou que visem ridicularizar, humilhar pessoas também serão descartados.

Muitas vezes por sermos homens de projeção publica, posamos de vidraças, e as pedras dos insensatos, de longe são atiradas, mesmo não querendo o FARO FINO para essa finalidade, também posso ser pedra de estilingue, ou até a funda que Davi usou para tirar de orbita o gigante Golias.