domingo, 15 de setembro de 2013

NO CAMINHO CERTO


Reativando em Jacareacanga o Projeto Minha Casa, Minha Vida Rural, esteve visitando hoje (13), a aldeia Karapanatuba Eduardo Kimura, engenheiro civil da Caixa Econômica Federal e uma comitiva de secretários municipais (de assuntos indígenas Ivânio Alencar, de administração Roberto Strapasson, de planejamento Alcides Grando, de educação Pedro Lúcio, de assistência social Vera Semblano, de obras Reinaldo Queiroz e de gabinete Luiz Henrique Costa), e assessores da prefeitura, além do chefe da Emater local Raimundo Delival. 

A visita do técnico da CEF foi para conhecer in loco  o habitat dos Munduruku. Logo na chega a comitiva foi recepcionada com boas vindas por jovens guerreiros, com cartazes agradecendo os investimentos que a prefeitura vem fazendo junto à comunidade. Com cantos Munduruku a comitiva foi conduzida até ao barracão comunitário local onde se realizou a reunião. 

O projeto habitacional indígena arrojado e pioneiro foi elaborado por técnicos da prefeitura de Jacareacanga, encabeçado pelo secretário de assuntos indígena Ivânio Alencar, prevê a construção em madeira de 450 casas populares em nove aldeias polos dentro do município, e já está inserido no Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) que vai usar recursos do Orçamento Geral da União (OGU) para financiar a aquisição de material de construção, para reforma, ampliação ou edificação de unidade habitacional.
Segundo o secretário de assunto indígena Ivânio Alencar, Karapantuba será a primeira aldeia a ser contemplada com o Projeto. “Cinquenta famílias já foram cadastradas e aprovadas juntas ao PNHR. Serão edificadas 50 casas em madeira de lei, medindo 36m², com uma varanda, dois quartos, cozinha, com cobertura em telha ecológica e piso em cimento queimado. Cada lote de 10 casas terá um módulo sanitário com banheiro”, disse o secretário.  Alencar ainda informou que a construção das casas deverá obedecer a cultura Munduruku, preservando a prática de cozinhar em fogão à lenha no chão. 

Em 27 de março de 2012 dois técnicos da Caixa Econômica Federal também estiveram visitando o município de Jacareacanga  com o objetivo de conhecer in loco a realidade habitacional do povo Munduruku. A vinda ao município de Silvio Jucá Vasconcelos, Coordenador de Habitação de Interesse Social, bem como da arquiteta Elna Trindade, foi em atendimento a um pleito do prefeito Raulien Queiroz através da Secretaria Municipal de Assuntos Indígena, que encaminhou o projeto pioneiro no Pará de habitação em área indígena.

Um ano e cinco meses depois, a visita de  Eduardo Kimura à aldeia Karapanatuba reacendeu a esperança de que finalmente o governo federal vai atender ao pleito da prefeitura de Jacareacanga. Após fazer o reconhecimento da área onde serão edificadas as habitações, Kimura visitou alguns domicílios construídos a pau a pique e coberto de palha. 

Para o capitão da aldeia Abraão Akay, a visita do técnico da CEF e da comitiva da prefeitura dar a certeza de que desta vez as casas serão construídas. “Acredito que agora as casas serão construídas. E só temos a agradecer à prefeitura e ao governo federal que estão olhando para as nossas necessidades”, disse.
Fotos e Texto Nonato Silva 
 

Um comentário:

  1. Parabéns pela sua dedicação em defese do povo munduruku Secretário Ivânio alencar e parabéns também ao Prefeito Raulien Queiroz. Conquistas como essa é que o povo está precisando e não palavras vazias que algumas instituições insistem em dizem que o povo munduruku precisa. Vamos torcer para que esse projeto aconteça definitivamento para o fortalecimento do povo munduruku.

    ResponderExcluir

Seja prudente em seus comentários, agradeço sua visita.

Pela FÉ

Pela FÉ

De ponta a ponta ligado com o Mundo!

De ponta a ponta ligado com o Mundo!
FORUM PERMANENTE DE DEBATES Eis minha intenção em criar este espaço; as matérias que forem publicadas no FARO FINO, se produzirem comentários serão respondidas respeitando a opinião dos leitores. Todos os comentários devidamente assinados serão considerados e publicados, desde que não exponha a moralidade de pessoas. Evidentemente que comentários imorais ou que visem ridicularizar, humilhar pessoas também serão descartados.

Muitas vezes por sermos homens de projeção publica, posamos de vidraças, e as pedras dos insensatos, de longe são atiradas, mesmo não querendo o FARO FINO para essa finalidade, também posso ser pedra de estilingue, ou até a funda que Davi usou para tirar de orbita o gigante Golias.