domingo, 18 de novembro de 2012

Palavras Diversas: Globo: Naming rights, o lance é não dizer quanto


Globo interfere nos negócios dos clubes e define quem pode ou não participar da concorrência para adquirir os naming rights das novas arenas, como a do Grêmio. Além disso cobra comissão para citar o nome dos patrocinadores nas transmissões esportivas...
Segundo uma coluna do jornal esportivo O Lance, a rede Globo teria cobrado dos gestores das novas arenas esportivas para citarem nas transmissões os nomes patrocinados por empresas que adquirirem os "naming rights".
Até aí, tudo bem, afinal é um direito da emissora cobrar por tal "serviço".
Mas o que deixa o negócio nebuloso é porquê a Globo exige que os valores não sejam divulgados, sob pena de rompimento de contrato e prejuízo financeiro para as empresas e clubes.
Afinal a toda poderosa que tenta pautar a tudo e a todos com o discurso da moralidade, da ética e da transparência, fazer uso de expediente intimidativo para que ninguém saiba os valores dos negócios em que não há concorrência, pois transmitem com exclusividade o futebol brasileiro, não faz qualquer sentido. Ou faz?
Achaque?
Valores tão absurdos podem ser pedidos?
Driblar o fisco?
Trecho da coluna publicada em o Lance:
A Globo já avisou aos gestores das arenas que estão sendo finalizadas o quanto cobrará de comissão para veicular o nome das empresas que comprarem os naming rights desses espaços. Mas exige que o valor seja mantido em sigilo, sob a ameaça de romper o acordo. A definição animou as empresas interessadas e alguns acordos podem sair neste ano.
O Grêmio de Porto Alegre, por exemplo, teve que se submeter as exigências da Globo e eliminar da concorrência de possíveis parcerias do clube, as empresas concorrentes diretas de anunciantes da emissora carioca.
O que fere o direito a livre concorrência e a igualdade de condições para quem quiser participar da disputa comercial.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja prudente em seus comentários, agradeço sua visita.