quarta-feira, 25 de abril de 2012

Senado pode regularizar prostíbulos e garotas de programa como profissão

FOTO: Divulgação/Internet
A Comissão do Senado de reforma do Código Penal quer o fim de punições para donos de prostíbulos. Para os especialistas em direito que compõem a comissão, a proibição dos prostíbulos só serve para que corruptos possam extorquir os donos dessas casas. 
"Tem muito prostíbulo aí que abre as portas e, ao invés de pagar para o governo, paga para os policiais", diz a garota de programa Fabiani. 
Se aprovada no Congresso, a mudança abrirá caminho para a regulamentação da profissão. Isso porque será possível estabelecer vínculos trabalhistas entre o empregado do prostíbulo e o empregador, como já ocorre em países como Alemanha e Holanda. 
Hoje, quem mantém casas de prostituição está sujeito a pena de reclusão de 2 a 5 anos mais multa. Já a prostituição em si não é criminalizada, tampouco é regulamentada no país. 
O projeto, no entanto, promete gerar polêmica. "É uma matéria polêmica, que deve ser discutida. A princípio, não é uma boa matéria para ser votada", afirma o senador Romero Jucá (PMDB-RR). 
Só para ilustrar esse pensamento
do Oscar Maroni/FARO FINO
Para o empresário Oscar Maroni, dono do Bahamas, a profissão da garota de programa é como outra qualquer. "O intelectual aluga o cérebro, o trabalhador braçal aluga os músculos, a mulher de programa, ela aluga a fantasia sexual", diz. 

Fonte: 
Folha.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja prudente em seus comentários, agradeço sua visita.